Economia avança, mas restrições monetárias e inadimplência colocam 2023 em xeque

Selic em alta prolongada, fragilidade do consumidor e desaceleração do crédito afetarão as empresas
Por  Luís Alberto Paiva -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A economia brasileira cresce há três trimestres consecutivos. No último, de janeiro a março, o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 1% em linha com o esperado por analistas. Para 2022, expansão de 2% está no páreo, mas não sem percalços.

Inflação de 12,13% em 12 meses até abril, combinada à manutenção da Selic em cerca de 13,25% até o segundo trimestre de 2023 e perspectiva desalentadora de normalização das cadeias de suprimentos para a indústria, azedam projeções de crescimento no ano que vem. Grandes bancos já preveem variação zero para o PIB de 2023.

Paralelamente a esse cenário macroeconômico inquietante, pesam contra uma atividade mais vigorosa o endividamento das famílias e empresas; a inadimplência elevada e crescente; e a postura arredia dos bancos na concessão de crédito.

Esse é o panorama que se descortina já para o segundo semestre, apesar do esforço do governo e do Congresso em viabilizar programas como o PRONAMPE, facilitador para empréstimos a pequenas e médias empresas que deve injetar R$ 50 bilhões em pequenos negócios até o fim de 2024, e a aprovação na Câmara dos Deputados do Marco de Garantias.

Agora sob avaliação do Senado, o projeto autoriza o uso de um imóvel para várias operações de crédito. A decisão é um avanço para potenciais tomadores – pessoas físicas e empresas –, mas é também uma variável adicional a ser monitorada pelas instituições financeiras que temem o efeito da inadimplência nos resultados futuros.

E os dados sobre inadimplência já são preocupantes porque a fragilidade dos consumidores afetará as empresas devido a uma deletéria parceria: Selic persistentemente elevada e perda de renda dos trabalhadores. Essas condições agravam o saldo da pandemia, quando mais de 50% das pequenas e médias empresas observaram inadimplência de clientes, consumidores e empresas, segundo levantamento da Serasa Experian realizado no ano passado.

Além das dívidas a pagar, estrangulam o orçamento das famílias a inflação sustentada sobretudo por preços de alimentos e transportes. Nesse sentido, a queda do desemprego para 10,5% no trimestre encerrado em abril – menor patamar desde 2015, segundo o IBGE – é importante, mas não diz tudo, uma vez que 60% do PIB correspondem ao consumo.

Na esteira das dificuldades financeiras das famílias, a inadimplência atingiu 6,1 milhões de empresas, em abril, sendo 5,5 milhões de micro e pequeno porte, revela o Indicador de Inadimplência das Empresas divulgado pela Serasa Experian. O setor de serviços responde pela maior parte dos calotes, 52,5% do total; seguido pelo comércio, 38,3%; indústria, 7,9%; e setor primário, 0,9%. O resultado impressiona especialmente quando se leva em conta o fato de serviços/consumo terem alavancado o PIB do primeiro trimestre.

O cenário de baixo crescimento inspira cautela e serve de alerta. A inadimplência tende a acelerar entre as micro e pequenas empresas que possuem fluxo de caixa mais enxuto e demoram mais tempo para se recuperar economicamente de desequilíbrios. É temerário, portanto, contar com suporte do crédito bancário para emergências, uma vez que as operações são caras e seletivas. Logo, programas de governo, como o PRONAMPE, serão mais disputados. E não há qualquer indicação que no futuro próximo será diferente.

Pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) prevê expansão do crédito em 2022 de 9,7%. O dado embute forte desaceleração, uma vez que o crédito total cresceu 16,5% em 2021. Quanto à inadimplência, o levantamento observou melhora na projeção, de 4% para 3,8% de março para abril, no segmento livre. Dados mais recentes do Banco Central, porém, apontaram inadimplência média efetiva, em fevereiro, de 2,5%. Há, portanto, piora sensível nas expectativas.

Apesar do endividamento, há recuperação da confiança, sobretudo, dos empresários. Em maio, o Índice de Confiança Empresarial avançou 2,9 pontos, para 97,4 pontos, maior nível desde outubro do ano passado. Construção foi o único setor a registrar queda, de acordo com as sondagens do FGV IBRE.

A confiança ganha relativa tração ancorada, porém, na eficácia de decisões de caráter emergencial, à exceção do Auxílio Brasil, cuja parcela de R$ 400 tornou-se permanente. Dada a necessidade de o governo perseguir maior equilíbrio fiscal, a liberação do FGTS e a antecipação de pagamentos do INSS têm viés transitório e constituem um combo insuficiente para assegurar perspectivas mais animadoras para as empresas e crescimento econômico sustentável. Mais grave, poderão exigir maior empenho e ações do próximo presidente da República já no início do mandato.

Luís Alberto Paiva Luís Alberto Paiva é fundador da Corporate Consulting, uma das principais consultorias brasileiras especializadas em reestruturação de empresas com book de 600 companhias avaliadas em quatro décadas de serviços prestados.

Compartilhe

Mais de Opinião - Especialistas convidados

DeFi
Opinião - Especialistas convidados

Os impactos em DeFi do recente crash das criptomoedas

*Por Christian GazzettaDesde o início de maio, o mercado tem vivido semanas eletrizantes.Na esteira da transição de política monetária nos EUA, com seus efeitos negativos sobre as classes de ativos com maior risco, uma série de projetos do mundo cripto começou a mostrar suas fragilidades.Colapso da USTUm ponto de inflexão foi a quebra do ecossistema […]