Experientes, Lula e Bolsonaro têm ‘seguro’ para novos mandatos

Fato de a eleição deste ano ser encabeçada por duas pessoas que já ocuparam a cadeira presidencial tem uma série de consequências

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

O fato de a eleição deste ano ser encabeçada por duas pessoas que já ocuparam a cadeira presidencial tem uma série de consequências. Na disputa propriamente dita, a taxa de conhecimento elevada é um dos fatores que contribuem para o cenário em que 66% dos eleitores optam por um dos dois nomes na pesquisa espontânea, mesmo a mais de cinco meses da data do primeiro turno. Essa taxa é o dobro da registrada no mesmo período eleições anteriores.

Mas os impactos não se restringem à decisão do eleitoral. Há implicações também nas estratégias das campanhas e na maneira como as candidaturas se vendem ao mercado. Diante das incertezas colocadas, ambas têm se valido dos períodos à frente do Planalto como espécie de “seguro” contra expectativas de deterioração maior no cenário a partir de 2023.

No lado da candidatura de Jair Bolsonaro, os grupos político e econômico que o cercam têm lembrado da aprovação da reforma da Previdência, ainda em 2019, e dos avanços em marcos regulatórios de infraestrutura e da autonomia do Banco Central para dizer que, em um ambiente de pandemia superada e fim da guerra na Ucrânia, haverá espaço para a intensificação da agenda original do time econômico.

Na campanha de Lula, aliados têm insistido na memória de respeito às regras do jogo, manutenção do tripé macroeconômico e previsibilidade. O mote é o de que Lula em 2003 despertava desconfiança, mas a experiência de oito anos mostrou pragmatismo suficiente para que o mercado encare outro mandato sem sobressalto.

Os aliados têm razão na defesa que fazem, mas a experiência mostra uma memória seletiva.

Do lado de Bolsonaro, a instabilidade interna no governo e na relação com as instituições, a resistência em embarcar publicamente na agenda do Ministério da Economia e a entrega do poder de pauta ao centrão colocam limites para o fortalecimento de uma agenda reformista e de contenção fiscal em um eventual segundo mandato.

A experiência de Lula também registra limites. Se cumpriu a promessa de respeitar regras estabelecidas em 2003, agora tem reforçado promessas na direção contrária, como a da revisão do teto de gastos. Em que pese a disposição do diálogo para a definição de novas regras que possam substitui-lo, nada de concreto foi apresentado até aqui – e a tendência é que de fato não o seja em um curto prazo, pelos rumos que tomam a campanha.

Os limites de lado a lado — ruídos institucionais em um campo, e falta de clareza sobre a direção da agenda do outro — podem ser parte da explicação de por que o mercado, quando consultado, atribui pouca diferença a priori em preços de ativos em caso de vitória de um ou de outro. Até março, pesquisa que nossa área macro conduziu com economistas e gestores de instituições do mercado mostra câmbio e Bolsa apontando na mesma direção nas duas situações.

A tendência na disputa entre Lula e Bolsonaro é que a discussão continue no campo simbólico, com pouco de concreto sobre a agenda econômica — enquanto lidera e parece contar com o benefício da dúvida por parte do mercado, não há razão para Lula expor com muita antecedências planos concretos que possam deixá-lo exposto.

Dessa indefinição vem parte da relevância de uma candidatura de centro que, se não tem chances concretas de avançar para um segundo turno, pode ao menos contribuir para que a discussão entre 2 e 28 de outubro seja feita em bases mais razoáveis.

Paulo Gama

Paulo Gama é analista político da XP desde 2017. Tem experiência de mais de dez anos na cobertura do cenário político nacional. Antes da XP, atuou entre 2009 e 2017 como repórter da Folha de S.Paulo, sediado em Brasília e em São Paulo. É formado em jornalismo pela USP com pós-graduação pela Universidade Lyon 2, na França.